Essas mulheres viajam de motocicleta por Bangladesh para falar sobre empoderamento feminino

Um grupo de mulheres usa viagens para empoderar outras mulheres

De acordo com o Relatório de Desigualdade de Gênero de 2018, do Fórum Econômico Mundial, Bangladesh tem avançado muito em relação o tema do empoderamento feminino. Atualmente, o país ocupa a 48ª posição no quesito – bem acima dos vizinhos sul-asiáticos–, mas os índices não refletem a condição das mulheres em Bangladesh, que muitas vezes enfrentam obstáculos tanto dentro quanto fora de casa.

A sociedade patriarcal e conservadora ainda detém e desencoraja mulheres de saírem de casa sozinhas, seja para ir ao trabalho ou dar um simples passeio. Apesar desses desafios, um grupo de mulheres bengalesas, fundado pelas doutoras Sakia Haque e Manashi Saha, decidiu viajar (nada menos do que de motocicleta!) para cada um dos 64 distritos do país para conversar com jovens mulheres sobre seu próprio potencial.

O propósito da jornada sempre foi maior do que apenas visitar lugares. Além de conhecer os atrativos naturais, a cultura e a comida de cada distrito, essas mulheres visitam escolas para garotas, oferecendo dicas médicas gratuitas sobre reprodução e puberdade, e conversam sobre como as mulheres podem se empoderar. Em Bangladesh, assuntos “femininos”, como menstruação e reprodução, são considerados tabu – Bangladesh ainda está para incluir o tema educação sexual no ensino médio – e como resultado, muitas garotas enfrentam diversos tipos de problemas físicos que poderiam ser prevenidos, ou pelo menos melhor tratados.

A ideia de Haque recebeu o apoio de muitas de suas amigas, que apelidaram a iniciativa de “Bangladesh através dos olhos das mulheres”. Haque e Saha já viajaram os 64 distritos sozinhas, e completarão as visitas em equipe nos próximos meses (em grupo, elas já passaram por 57 distritos). Conversando sobre diversos assuntos e compartilhando as histórias de suas viagens, essas mulheres tentam despertar o espírito de aventura das estudantes, na esperança de que elas possam quebrar as algemas colocadas por uma sociedade conservadora.

O grupo também criou um website e uma página no Facebook, Travelettes of Bangladesh. Até agora, 16 mil pessoas aderiram à página, e a equipe já combinou algumas viagens com os membros da comunidade.

Fonte: Pressenza

Deixe uma resposta